Por um futuro sustentável

Perguntas e Respostas

Plataforma para a promoção dos combustíveis de baixo carbono (PCBC)

O que são Combustíveis de Baixo Carbono?

São combustíveis sustentáveis de origem não petrolífera, com emissões de CO2 nulas ou muito limitadas, durante a sua produção e utilização, em comparação com os combustíveis fósseis.

- Qual é a diferença entre combustíveis «tradicionais» e os combustíveis de Baixo Carbono?

Os combustíveis de Baixo Carbono não são produzidos com matéria-prima à base de petróleo, como é o caso dos combustíveis «tradicionais». Biomassa, energias renováveis, resíduos e CO2 capturado, estão entre as matérias-primas que serão utilizadas para gerar os combustíveis de Baixo Carbono.

- Estes combustíveis alternativos são compatíveis com o meu carro atual?

→ Sim, estes combustíveis são compatíveis com a atual tecnologia de motores.

A refinaria do futuro tornar-se-á um centro onde todos estes diferentes combustíveis serão processados de forma que satisfaçam as especificações da indústria automóvel.

- Que tipo de Combustíveis de Baixo Carbono existem?

Biocombustíveis sustentáveis de 1.ª geração – à base de culturas alimentares e forragens sustentáveis (por exemplo, matérias-primas como as culturas açucareiras, culturas de amido), e óleos vegetais sustentáveis, como por exemplo, óleo vegetal tratado com hidrogénio (HVO), etanol e FAME (Fatty acid methyl ester).

Biocombustíveis avançados – à base de culturas não alimentares, com biomassa lignocelulósica, incluindo madeira e resíduos da silvicultura, resíduos agrícolas (palha e restolho) e culturas energéticas ou materiais residuais (por exemplo, resíduos da indústria, óleos e gorduras residuais – por exemplo, óleos alimentares residuais – ou resíduos sólidos).

E-combustíveis – Os e-combustíveis ou combustíveis sintéticos, resultantes da síntese de hidrogénio verde produzido através da eletrólise da água, utilizando eletricidade verde, e dióxido de carbono (CO2) capturados, quer a partir de uma fonte concentrada (gases de escape de uma unidade Industrial), quer diretamente do ar (DAC – Direct Air Capture).

Biogases – gases obtidos a partir da decomposição de material orgânico, tais como resíduos florestais ou os resíduos orgânicos urbanos. Exemplo: bioGPL – moléculas de propano e butano produzidas a partir de fontes biológicas.

Outros combustíveis de baixo carbono – combustíveis produzidos a partir de outras matérias-primas provenientes de resíduos de origem não biológica (ex. Resíduos urbanos ou plásticos).

- Os combustíveis de baixo carbono são uma contraproposta à eletrificação?

→ Não, estamos convencidos de que os combustíveis de baixo carbono e a eletrificação viverão lado a lado, pois não há uma tecnologia única capaz de enfrentar o desafio de descarbonizar todo o setor de transporte, tanto mais que atualmente não existe eletrificação em larga escala na maioria dos modos de transporte, como a aviação, o transporte marítimo e, em grande parte, o transporte pesado de mercadorias.

Para o segmento de veículos ligeiros, em especial os automóveis, a eletrificação será muito significativa, mas nalgumas regiões e para alguns utilizadores, pode ser menos prática ou mais lenta. Os combustíveis de baixo carbono e a eletrificação são, portanto, complementares.

- Quais as vantagens imediatas dos combustíveis de baixo carbono versus a eletrificação?
  • Redução substancial da nova infraestrutura necessária e um menor custo de implantação da distribuição de energia elétrica e dos pontos de carregamento rápido.
  • São a única alternativa tecnológica para muitos segmentos de transporte, aviação, marinha e transporte pesado, onde a eletrificação está em estágios muito iniciais permitindo, portanto, a descarbonização progressiva desses setores.
  • Dão opção de escolha entre tecnologias de baixo carbono, garantindo que a neutralidade carbónica seja acessível a todos, sendo uma solução competitiva em comparação com as alternativas.
  • Garantem a segurança de abastecimento.
  • Reduzem a pressão e o custo para obter uma substituição completa da frota que garanta a neutralidade climática, apoiando também uma transição justa em toda a Europa.
  • Ajude a manter a dinâmica industrial europeia e o emprego no setor automóvel.
- Como será o parque automóvel em 2050?

→ Em 2050 o transporte rodoviário deverá atingir a neutralidade climática, o que nos parece só vir a ser possível através de uma frota de tecnologia mista, que utilize combustíveis climaticamente neutros e uma eletricidade 100% renovável.

- Quais são as principais tecnologias que impulsionarão a transição energética nos transportes?

→ A eletricidade e o hidrogénio terão um papel significativo na transição energética nos transportes.

Tecnologias de conversão de biomassa linho celulósica, hidrogenação de óleos vegetais/desperdícios e resíduos, e e-combustíveis, para substituir o CO2 fóssil por CO2 biogénico ou reciclado, bem como a Captura e armazenamento de carbono e o hidrogénio verde aplicados nas refinarias para reduzir a pegada de carbono na fabricação de combustíveis.

- Como será a cadeia de valor dos combustíveis de baixo carbono?

A cadeia de valor incluirá indústrias como a refinação, agricultura, produtos químicos, silvicultura, resíduos e reciclagem, incluindo muitas PME’s, que desempenharão um papel importante na sua construção e nos ativos necessários aos combustíveis de baixo carbono.

- Porque defendem uma abordagem das emissões “do poço à roda”?

O método atual de teste de veículos concentra-se nas emissões no ponto de utilização do veículo e não no ciclo completo de vida. O impacto climático das tecnologias não pode ser reduzido apenas ao tubo de escape. Deve ser adotada uma abordagem mais holística para cada tecnologia, e cada tecnologia deve ser avaliada em função do seu mérito próprio.

Por um futuro sustentável

Últimos artigos

Fusion Fuel aposta nos Estados Unidos

Fusion Fuel aposta nos Estados Unidos

Portuguesa Fusion Fuel aposta nos Estados Unidos e Austrália, querendo certificar a tecnologia Hevo-Chain para o fabrico de hidrogénio.