Jornal Económico

Investigadores portugueses utilizam resíduos florestais para fazer biocombustíveis

 

Com a sustentabilidade cada vez mais na ordem do dia, cientistas do Centro de Engenharia Biológica da Universidade do Minho procuraram soluções para aproveitar toneladas de resíduos que diariamente aumentam a poluição ambiental.

Um projeto, a cargo de investigadores portugueses da Universidade do Minho, propõe-se a produzir biocombustíveis e embalagens funcionais a partir de resíduos florestais, para dar resposta à acumulação de detritos florestais provocada pelos incêndios em Portugal. O ‘EchoTech’ também servirá para desenvolver tecnologias sustentáveis que permitam a utilização de desperdícios agroindustriais para criar alimentos pré-bióticos.

 

 

Com a sustentabilidade cada vez mais na ordem do dia, cientistas do Centro de Engenharia Biológica (CEB) da Universidade do Minho procuraram soluções para aproveitar toneladas de resíduos que diariamente aumentam a poluição ambiental. Com esse mote e, através da investigação da matéria orgânica gerada pelos sectores agroalimentar e florestal, o CEB concluiu que no aproveitamento destes resíduos existe a possibilidade de criar biocombustíveis, alimentos sustentáveis e embalagens funcionais (que melhoram a conservação de produtos alimentares).

Para tal, os investigadores estão a desenvolver tecnologias ecológicas que visam a extração de matérias-primas (celulose, hemicelulose e lignina) dos resíduos de diversos sectores da agroindústria e florestais, que irão permitir o desenvolvimento de novos produtos e aplicações de alto valor, inovadoras e “amigas” do ambiente. A previsão é de que o projeto esteja concluído em 2022.

 

Para Continuar a ler a Notícia   AQUI