www.razaoautomovel.com

Elétricos trocados por e-fuels, à medida que o mercado fica sem resposta para a eletrificação total

 

Deveria ser o futuro próximo, mas as grandes marcas mudaram a sua estratégia. Cada vez mais, os elétricos trocados por e-fuels ou híbridos são uma realidade, face a um abrandamento geral no mercado.

Elétricos trocados por e-fuels ou outros, é a resposta das fabricantes ao mercado, que não consegue absorver as novas frotas automóvel. As gigantes fabricantes europeias apostam assim, e novamente, nos motores a combustão.

A renovação destes motores implica, por exemplo, um total de 60 mil milhões de euros à Volkswagen, no desenvolvimento de novas tecnologias para “velhos” motores.

“O futuro continua a ser elétrico, mas o passado ainda não acabou.”, afirma Arno Antlitz, diretor financeiro e de operações do Grupo Volkswagen, um ano após ter apelidado a “combustão” de “tecnologia antiquada”.

Contudo, também a Bugatti e a Lamborghini mudaram a sua tática. Apostando nos combustíveis sintéticos, acreditam que este poderá ser o futuro. Já a Porsche desenvolve a produção desta energia no Chile. De forma geral, nenhum mega fabricante tem já o elétrico como objetivo prioritário.

Imagem gráfica apresentando em primeiro plano um automóvel branco, com um fundo representado por árvores verdes e prédios. A imagem alude à notícia "elétricos trocados por e-fuels", numa resposta clara das fabricantes de veículos, face à perda de vendas.

Mercado aberto a várias alternativas, deixa elétricos trocados por e-fuels e híbridos

Além da alternativa sintética, é cada vez maior também a venda de veículos híbridos. O exemplo, até pode ser nacional. Em maio, a venda de híbridos (16.2%) superou, ainda que ligeiramente, a de elétricos (16%). Já no total de viaturas vendidas, as energias alternativas ganham terreno aos motores de combustão.

Sabendo-se, contudo, que será necessária uma boa redução de preços, para uma maior procura por novos veículos, a aposta será, neste caso, a integração.

Tecnologias que permitam acoplar sistemas a combustão com novas fontes de energia, poderão ser definitivamente, o futuro.

 

LEIA A NOTÍCIA ORIGINAL AQUI